Quem Somos

Diretoria

Estatuto

Notícias

Dia a dia Afago

Seus Direitos

Cultura

Recordando o BB

Galeria de Fotos

Aniversariantes

Projetos

Associe-se

Convênios

Jornal da AFAGO

Fale Conosco

Página Principal

 
 
Nº de Visitas:
 

 
 
TCU identifica irregularidades em venda de subsidiárias 

 Após a ANABB manifestar preocupação com a privatização de subsidiárias do Banco do Brasil, como a BB DTVM, agora foi a vez do Tribunal de Contas da União (TCU) contestar o BB. Sob a relatoria do ministro Bruno Dantas, o TCU identificou irregularidades na forma como o Banco tem conduzido os processos de venda das empresas que integram o conglomerado.

Entre as irregularidades destacadas pelo TCU na venda de subsidiárias do BB estão questões relacionadas a :

  • Seleção do ativo para desinvestimento;
  • Rito do processo competitivo;
  • Ausência de critérios de seleção dos interessados na alienação do ativo;
  • Contratação de serviços técnicos especializados;
  • Delegação de atividades ao assessor financeiro;
  • Transparência do processo competitivo de alienação;
  • Ausência de deliberação dos órgãos diretivos em atos essenciais e concentração de função em uma diretoria;
  • Aprovação da operação pelos órgãos reguladores; e
  • Gestão documental do processo de investimento ou desinvestimento.

Em janeiro de 2020, a ANABB alertou o órgão sobre os atos de gestão do Banco e solicitou uma avaliação da legalidade e da legitimidade sobre a desestruturação de unidades lucrativas da instituição financeira.

Veja mais em: ANABB questiona TCU sobre privatização da BBDTVM
 

POSICIONAMENTO DO TCU

Em seu voto, o ministro do TCU chamou de falha grave o fato das normas internas do Banco não fazerem distinção entre os ritos a serem seguidos em operações de venda ou compra de ativos, parcerias ou fusões. “Fato é que a condensação dos normativos de venda de ativos e de parcerias estratégicas, sob as mesmíssimas regras, pode tanto ignorar medidas mitigadoras para riscos típicos de cada operação (de venda ou de parceria), como, em inverso, tornar o processo mais ineficiente. Trata-se de falha grave. Uma norma regulamentadora deve ser baseada em riscos.”

O ministro do TCU também criticou a sistemática de avaliação de riscos. “Não há evidências da identificação, análise e avaliação de riscos, na seleção e implementação de respostas aos riscos avaliados, no monitoramento de riscos e controles, e na comunicação sobre riscos”, disse. “Verifica-se potencial falha da alta direção do BB - inclusive em sua alçada de Conselho Administração - no adequado gerenciamento decisório relacionado aos riscos das participações societárias (por negócios estratégicos e materialmente relevantes), notadamente no que se refere à alienação desses ativos.”

A ausência de publicidade para a venda dos ativos também foi tema de contestação pelo Corte de Contas: “Nos processos de desinvestimentos analisados no Banco do Brasil não foi identificada a forma de divulgação do processo competitivo, apenas alguns registros pontuais de fatos relevantes ou comunicados ao mercado, em contraponto ao que preceitua o Decreto 9.188, de 2017 (art. 8º), que afirma caber à sociedade de economia mista de capital aberto informar o mercado acerca das etapas do procedimento competitivo de alienação”.

Por fim, o ministro apontou que “é muito importante trazer à tona os potenciais riscos de falha de governança em vista da inexistência de previsão acerca da manifestação das instâncias decisórias competentes (Conselho Diretor, Conselho de Administração e Assembleia Geral) em alguns estágios da negociação da alienação de ativos do banco. Além de haver concentração de poderes excessivos numa única instância, a Diretoria de Governança de Entidades Ligadas (Direg)”, ponderou Dantas.

Diante desse quadro, o TCU determinou que o Banco do Brasil preste esclarecimentos sobre os pontos divergentes “com o intuito de conferir maior transparência e credibilidade ao processo como um todo”, disse o ministro.

 

 

 
 

19/05/2020 - ANABB 
 

Pandemia impacta resultados do 1º trimestre da Previ
19/05/2020 - ANABB
TCU identifica irregularidades em venda de subsidiárias
19/05/2020 - ANABB
Segunda parcela do 13º salário será paga em maio pela Previ
12/05/2020 - ANABB
Mais 5,4 milhões na miséria
20/04/2020 - Estado de São Paulo
Câmara aprova ampliação de validade da receita de medicamentos
13/04/2020 - Agência Câmara
Governo autoriza saques de R$ 1.045 do FGTS a partir de 15 de junho e extingue PIS-Pasep
13/04/2020
O mês em que o Brasil parou
13/04/2020 - ANABB
Coronavírus torna PEC emergencial prioridade, diz relator
16/03/2020 - ANABB
R$ 23 bilhões para o INSS
16/03/2020 - Correio Braziliense
A mamata acabou: a nova realidade dos sindicatos sem o imposto obrigatório
16/03/2020 - ANABB
Bancários vão ao Senado para debater MP 905
04/03/2020 - ANABB
Comitê realiza mobilização no Congresso em defesa das empresas públicas
04/03/2020 - ANABB
Governo avalia como regular taxação de seguro-desemprego
04/03/2020 - ANABB
ANABB conquista importantes avanços na MP 905
24/02/2020 - ANABB
A ANABB te ajuda a revisar a aposentadoria do INSS
24/02/2020 - ANABB
MP do Contrato de Trabalho Verde e Amarelo expõe visões opostas de juízes do Trabalho
23/02/2020 - ANABB
Aposentado deve R$ 138 bi
06/02/2020 - Correio Braziliense
Convênio INSS/CAIXA/FUNCEF é prorrogado
27/01/2020 - ANABB
BNDES pagou R$ 15 mi a mais por auditoria
27/01/2020 - ANABB
Banco Central amplia monitoramento de políticos
27/01/2020 - ANABB
 
<<   <
>   >>    1720/1720 Registro