Quem Somos

Diretoria

Estatuto

Notícias

Dia a dia Afago

Seus Direitos

Cultura

Recordando o BB

Galeria de Fotos

Aniversariantes

Projetos

Associe-se

Convênios

Jornal da AFAGO

Fale Conosco

Página Principal

 
 
Nº de Visitas:
 

 
 
Déficit da Previ reflete momento da renda variável, diz Coelho 

 Presidente da fundação afirma que não vai mudar sua estratégia de investimentos

Mesmo com um prejuízo de quase R$ 12 bilhões no primeiro semestre, a Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil (BB) com um patrimônio de mais de R$ 170 bilhões, não vai mudar sua estratégia de investimentos. “O déficit é um reflexo momentâneo da situação que os ativos de renda variável estão vivendo. No primeiro trimestre do ano chegamos, inclusive, a ter superávit, e praticamente com o mesmo portfólio”, disse ao Valor o novo presidente da fundação, José Maurício Coelho. O resultado negativo no primeiro semestre já foi atenuado com os números positivos de julho, de cerca de R$ 2,7 bilhões, revelou o executivo, citando números preliminares, em sua primeira entrevista desde que assumiu a fundação há um mês.

Coelho, da Previ: resultado negativo do primeiro semestre já foi atenuado com números positivos de julho, de cerca de R$ 2,7 bi

A volatilidade dos mercados já era esperada e deve aumentar no período eleitoral, lembrou o executivo, com impacto nos resultados mensais do fundo de pensão. “Acompanhamos o mercado no curto prazo, mas nosso foco é o longo prazo. Assim, a estratégia não vai se alterar por causa disso, até mesmo porque era um ciclo altamente previsível”, afirmou. Coelho lembrou que este ano o mercado deve demorar mais a se estabilizar, devido à indefinição do cenário eleitoral, sem um candidato que lidere a preferência dos eleitores. Mas, ponderou, independentemente de quem ganhar a eleição, vai ter que fazer reformas.

Segundo o presidente da Previ, em termos de fundamentos do país, o quadro é ruim, mudou pouco nos últimos anos, mas é conhecido. “Os candidatos podem divergir na maneira como vão atacar o déficit fiscal, aí entra o lado político ou ideológico de cada um. Mas ninguém pode conviver com R$ 150 bilhões ou R$ 160 bilhões de déficit fiscal. Nenhum governo vai cogitar essa hipótese”, disse.

Coelho não vê mudanças significativas na estratégia da Previ, mesmo com uma mudança de governo. “A visão da Previ não é de 4 anos, mas de mais de 40 anos”, afirmou. “Mudança de presidente ocorre a cada quatro anos. Tanto o Banco do Brasil quanto a Previ sabem que é assim que funciona.” Segundo o presidente da Previ, o que pode influenciar no médio ou longo prazos é a velocidade de recuperação da economia e a forma como as reformas serão tratadas pelo novo governo.

Os ativos do Plano 1, de benefício definido, têm uma alta concentração em renda variável e o desempenho acaba sendo muito influenciado pelo vaivém do mercado. Dos mais de R$ 158 bilhões em investimentos, quase R$ 72 bilhões estão alocados em renda variável – só a fatia da Vale é de quase R$ 31 bilhões.

Devido à necessidade de liquidez para benefícios futuros, a estratégia do Plano 1 inclui desinvestimentos. O plano já é maduro e a maioria dos participantes, aposentada. Além disso, dos 11 mil ainda na ativa, entre 6 mil e 7 mil já têm condições de deixar de trabalhar. Anualmente, a Previ paga R$ 12 bilhões em benefícios.

Uma potencial venda de Vale e uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da Neoenergia, que não avançou no final do ano passado, não seriam necessariamente uma prioridade da fundação, disse Coelho. “Eu não colocaria como prioridade, mas é importante no sentido de gerar liquidez. São ativos significativos, que têm muito valor dentro da Previ“, disse. A ideia é fazer movimentos planejados, acrescentou.

Previ tem outras participações bastante relevantes, como Banco do Brasil (R$ 6,2 bilhões), Petrobras (R$ 5,3 bilhões), Ambev (R$ 4,3 bilhões) ou BRF (R$ 1,5 bilhão), que entram na política de gestão da carteira com objetivos de preço. No ano passado, os desinvestimentos líquidos da Previ somaram cerca de R$ 8 bilhões – sendo uma parcela relevante alcançada com a venda de CPFL, na qual a fundação fazia parte do acordo de acionistas. “Não há previsão de grandes vendas. A Previ busca maximizar os valores em cada transação”, reiterou.

Previ tem cerca de R$ 10 bilhões investidos em imóveis. Com a recente edição da resolução 4.661, do Conselho Monetário Nacional (CMN), as fundações não poderão investir diretamente no setor, devendo se desfazer dos imóveis ou constituir fundos imobiliários exclusivos. “A 4.661 trouxe avanços importantes na direção de regras claras para os investimentos. Vai ajudar as fundações a ter disciplina”, disse Coelho. O diretor de participações da Previ, Renato Lopes, lembra que a carteira gera cerca de R$ 700 milhões anuais para a fundação, com aluguéis e repasses dos shoppings em seu portfólio.

“A carteira imobiliária tem apresentado ótimo retorno e tem baixo nível de vacância comparado ao mercado”, afirmou Lopes. Recentemente, a fundação anunciou o relançamento do edifício Birmann 21, localizado na marginal Pinheiros, em São Paulo, depois de uma remodelação do imóvel. A decisão havia sido tomada antes das novas regras e a estratégia foi mantida. As fundações terão 12 anos para se adequar. Os executivos lembram que a gestão da carteira já era algo recorrente. Antes mesmo da resolução, a Previ realizou vendas como o edifício Robocop, em São Paulo, para a BR Properties por cerca de R$ 400 milhões.

Coelho iniciou a carreira no Banco do Brasil em uma agência em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, em 1987. Entre os cargos que ocupou estão a vice-presidência de gestão financeira e relações com investidores do banco. Também foi presidente da BB Seguridade, responsável por concluir as negociações para reestruturação da parceria com a espanhola Mapfre. O executivo chegou à fundação com o compromisso de manter a governança como eixo central. “Encontrei a entidade com governança muito sólida, com instrumentos estruturados e robustos.”

 

 

20/08/2018 - VALOR ECONÔMICO -SP 
 

Bancos defendem restrição de uso de dinheiro em espécie
18/10/2018 - VALOR ECONÔMICO -SP
Conhea os direitos das trabalhadoras diagnosticadas com cncer de mama (Contábeis)
04/10/2018
Estatal dispara e Ibovespa recupera os 81 mil pontos
04/10/2018 - ANABB
EDP Brasil vai construir usina solar de 5 MWp para o Banco do Brasil em MG
04/10/2018 - VALOR ECONÔMICO -SP
NOTA DE FALECIMENTO
26/09/2018 - AFAGO
A via chinesa da cielo
24/09/2018 - ISTO É DINHEIRO
BB aprova mudança na Cassi - DESTAQUES
17/09/2018 - VALOR ECONÔMICO -SP
Final feliz - RADAR
11/09/2018 - ANABB
Foco para Invepar agora é refinanciar dívida, diz presidente da Previ
11/09/2018 - ANABB
BB Seguridade vai propor premiação a funcionários em ações
04/09/2018 - INFO MONEY
Bancos privados vão depositar PIS/Pasep
04/09/2018 - METRO - SP
Déficit da Previ reflete momento da renda variável, diz Coelho
20/08/2018 - VALOR ECONÔMICO -SP
Banco do Brasil leiloa mais de 100 imóveis em São Paulo e no Rio de Janeiro
20/08/2018 - ESTADÃO - ON LINE - SP
Litel anuncia emissão de notas de R$ 2,5 bilhões
20/08/2018 - O ESTADO DE S. PAULO - SP
Petros e Previ rejeitam proposta do Mubadala para comprar Invepar
20/08/2018 - O ESTADO DE S. PAULO - SP
Os lucrativos bancos brasileiros
06/08/2018 - O ESTADO DE S. PAULO - SP
Os lucrativos bancos brasileiros
06/08/2018 - O ESTADO DE S. PAULO - SP
Empresas começam a pedir prêmios de seguros de volta - COLUNA BROADCAST
20/07/2018 - O ESTADO DE S. PAULO - SP
José Maurício Coelho é o novo presidente da Previ
16/07/2018 - PREVI
Manifestação pública da ANABB sobre a Cassi
09/07/2018 - ANABB
 
<<   <
>   >>    1629/1629 Registro