Quem Somos

Diretoria

Estatuto

Notícias

Dia a dia Afago

Seus Direitos

Cultura

Recordando o BB

Galeria de Fotos

Aniversariantes

Projetos

Associe-se

Convênios

Jornal da AFAGO

Fale Conosco

Página Principal

 
 
Nº de Visitas:
 

 
 
Lei Eleitoral restringe atos do poder público a partir de hoje 

 

BRASÍLIA  - A transferência voluntária de recursos da União para os Estados e municípios, bem como dos governos estaduais aos municipais, está proibida a partir de hoje (7), devido às eleições de outubro. Essa é uma das condutas vedadas pela Lei Eleitoral três meses antes do pleito, visando evitar que atos do poder público afetem a igualdade de oportunidades entre os diversos candidatos. O descumprimento das proibições pode levar desde a anulação do ato, passando por multa para o agente público responsável pela iniciativa até a cassação do registro ou do diploma do candidato beneficiado.

 Segundo o assessor da Presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Sérgio Ricardo dos Santos, a legislação proíbe atos que possam influenciar o pleito, desequilibrando a disputa eleitoral. Essa previsão visa trazer equilíbrio à eleição, ainda mais no cenário em vivemos em que é possível a reeleição. Quem tem a caneta na mão, no caso o governante, poderia eventualmente explorar aquele ato de uma forma não ortodoxa, incluindo aspectos que possam favorecer possíveis candidatos , argumentou. A promoção do equilíbrio da disputa é fundamental para a garantia da democracia , completou.

 Conforme dados do Portal da Transparência, neste ano, a União transferiu R$ 157,7 bilhões, o que representa 11,5% dos gastos públicos. Desse total, R$ 107,3 bilhões são repasses obrigatórios (constitucionais e royalties). Os demais R$ 50,5 bilhões são transferências voluntárias.

 A Lei Eleitoral abre exceção para o repasse voluntário de recursos decorrentes de convênios assinados anteriormente, para a realização de obras ou serviços em andamento e com cronograma pré-fixado, além da liberação de verbas para atender situações de emergência e calamidade pública.

 Condutas proibidas

 Uma das ações vedadas mais recorrentes na Justiça Eleitoral é a propaganda institucional. Neste período é proibida a veiculação da propaganda institucional de órgãos públicos. Ou seja, a publicidade dos atos do governo terá caráter exclusivamente educativo, informativo ou de orientação social, sem nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção de autoridades. Pode ser veiculada também publicidade de produtos e serviços que disputem mercado. Por exemplo, do Banco do Brasil.

 As campanhas de utilidade pública, como os anúncios de vacinação, são permitidas desde que submetidas à deliberação da Justiça Eleitoral. É avaliado se existe gravidade de fato e urgência que indique a necessidade de o poder público fazer uso da mídia , explicou Santos. Neste período também não pode haver pronunciamentos em rede de rádio e televisão, exceto em casos de urgência autorizados pela Justiça Eleitoral.

 A Lei Eleitoral proíbe ainda nomear, contratar, admitir, demitir sem justa causa, tirar vantagens funcionais, impedir o exercício profissional, transferir, remover ou exonerar servidor público até a posse dos eleitos. Nesse caso também há exceções: são permitidas nomeações e exonerações de cargos de confiança, nomeações para cargos do Poder Judiciário, do Ministério Público, dos tribunais ou conselhos de contas e dos órgãos da Presidência da República, bem como de aprovados em concurso públicos homologados até este sábado.

 A partir de hoje, o poder público não pode contratar shows pagos com dinheiro público para inaugurações de obras, bem como os candidatos não devem participar desses eventos.

 Em ano eleitoral é proibida a distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios pela administração pública, exceto nos casos de calamidade pública, de estado de emergência ou de programas sociais autorizados em lei e já em execução orçamentária no exercício anterior. Os programas sociais não poderão ser executados por entidade nominalmente vinculada a candidato ou por ele mantida.

 
 

09/07/2018 - VALOR - ON LINE - SP 
 

A maioria das estatais é corrupta
08/07/2019 - ANABB
Previ/Coelho: venderemos participações e poderemos reaplicar em outras empresas
02/07/2019 - ANABB
Uma plataforma de gestão de saúde inteligente para os brasileiros que não possuem plano
02/07/2019 - ANABB
Indulto assinado por Temer beneficia condenados no mensalão
02/07/2019 - ANABB
Cadastro positivo vai contribuir para a redução do custo do dinheiro
11/06/2019 - ANABB
Receita Federal libera consulta ao 1º lote de restituição do Imposto de Renda
11/06/2019 - ANABB
Novas regras para planos - DIREITO GRITA
10/06/2019 - ANABB
Bancos falham em ressarcir poupador por planos econômicos, diz ONG de defesa do consumidor
31/05/2019 - ANABB
Sem regulação, crescem serviços de internação fora de hospitais
27/05/2019 - ANABB
Benefício Definido
24/05/2019 - ANABB
INSS convoca segurados para apresentação de documentos em agência
24/05/2019 - ANABB
Despesas com próteses, órteses e tecnologias assistivas poderão ser deduzidas do IR
23/05/2019 - ANABB
Pedidos de recurso e revisão do INSS passam a ser feitos por internet
14/05/2019 - ANABB
BB amplia oferta de fundos - DESTAQUES
08/05/2019 - ANABB
Conheça o novo fundo de previdência de uma das principais gestoras do país (conteudo-patrocinado)
30/04/2019 - ANABB
80% não receberam perdas com planos
24/04/2019 - ANABB
Banco diz que incêndio em agências é criminoso
24/04/2019 - ANABB
AGU desiste de recorrer em 50% das ações previdenciárias no STJ e STF
15/04/2019 - ANABB
INSS acelera desconto para segurado que perde revisão
15/04/2019 - ANABB
BB vende R$ 100 milhões em créditos sob litígio
08/04/2019 - ANABB
 
<<   <
>   >>    1671/1671 Registro