Quem Somos

Diretoria

Estatuto

Notícias

Dia a dia Afago

Seus Direitos

Cultura

Recordando o BB

Galeria de Fotos

Aniversariantes

Projetos

Associe-se

Convênios

Jornal da AFAGO

Fale Conosco

Página Principal

 
 
Nº de Visitas:
 

 
 
O tesouro escondido dos bancos 

 

Conhecido por sua discrição, o Bradesco é ainda mais reservado ao escolher seus presidentes. O processo tem longas conversas internas, que jamais vazam para o público de fora. Nos últimos casos, porém, foi possível detectar um padrão. Os escolhidos para chefiar a gigantesca organização vieram da Bradesco Seguros. Foi assim com Luiz Carlos Trabuco e com Octavio de Lazari, indicado em fevereiro deste ano. A explicação é simples. "A seguradora é estratégica para os resultados globais da organização", disse Lazari, em uma entrevista à DINHEIRO em janeiro, antes de ser indicado para a presidência.

 Ainda é cedo para dizer se o economista carioca Vinicius Albernaz, que preside a seguradora desde 27 de março deste ano, será o sucessor de Lazari. Porém, os 11 anos de casa e a passagem por áreas estratégicas como a tesouraria e a gestora de fundos, que administra R$ 600 bilhões em dinheiro dos clientes, lhe garantem cacife para cuidar de uma área que, ano após ano, responde por um terço do lucro do Bradesco, que foi de R$ 19 bilhões em 2017.

 A relevância da Bradesco Seguros deve inspirar as estratégias nos demais bancos, que ganham ao diversificar para o mercado segurador. Segundo Lazari, isso ocorre pela diferença entre as dinâmicas das duas atividades. Os bancos são cíclicos. Seus resultados acompanham o ritmo da economia. Já as seguradoras são anticíclicas. Elas ganham mais nos momentos de crise, quando pessoas e empresas buscam proteção. "Quando o cenário está difícil, a importância dos resultados da seguradora cresce", disse Lazari. Misturando as duas atividades, é possível preservar o ganho total tanto nos tempos bons quanto nos ruins.

 Os números mostram isso claramente. Marcado pela turbulência política, o ano de 2016 não foi tão bom para o Bradesco. O lucro do grupo encolheu 3,9% em relação a 2015. A Bradesco Seguros, porém, lucrou 3,8% mais em 2016 do que em 2015. No ano passado, a dinâmica se inverteu. Ajudado por uma forte queda da inadimplência e pelo corte de gastos, o Bradesco lucrou 11% mais e apresentou um resultado recorde de R$ 19 bilhões. Desse total, R$ 5,5 bilhões vieram da seguradora, que obteve um lucro praticamente idêntico ao de 2016 (observe o quadro). Na ponta do lápis, a rentabilidade patrimonial da seguradora foi de 19,1%, acima dos 18,1% da média do conglomerado. "A seguradora tende a estabilizar os resultados do Bradesco", diz Erivelto Rodrigues, sócio da consultoria Austin Asis. 

 O mesmo raciocínio vale para a BB Seguridade, ligada ao Banco do Brasil. Ao contrário da Bradesco Seguros, ela é uma companhia aberta. Em abril de 2013, 29% de seu capital foi vendido em Bolsa, em um processo conduzido pelo então vice-presidente de atacado, Paulo Caffarelli, que hoje preside o BB. Em 2017, ela lucrou R$ 4,05 bilhões, resultado estável em relação aos R$ 4,01 bilhões de 2016. Nesse mesmo período, o lucro do Banco do Brasil cresceu 36,9%, para R$ 11 bilhões, ante os R$ 8 bilhões do ano anterior. "O desempenho faz sentido, considerando o ciclo de juros mais baixos", disse José Maurício Coelho, presidente da BB Seguridade, ao comentar os resultados. Na ocasião, Coelho disse esperar que os resultados em previdência, capitalização e os seguros de automóveis, de vida e rural melhorem no segundo semestre deste ano.

 A atuação de Itaú Unibanco e Santander nos seguros é diferente. Há quatro anos, em 2014, o Itaú associou-se à Porto Seguro e atua principalmente na distribuição de seguros por sua rede, cobrando comissões para fazer isso. O faturamento não tem deixado a desejar. Tanto em 2016 quanto em 2017 a receita foi idêntica, de R$ 6,2 bilhões. Já o Santander viu disparar o seu ganho com seguros, especialmente o seguro prestamista, que garante contra a inadimplência nas vendas a crédito. Em 2017, a receita de comissões foi de R$ 2,5 bilhões, avanço de 13,8% ante 2016.

 A importância dos seguros para os bancos deve seguir crescendo. Prova disso é o interesse de Caffarelli, do BB. Responsável pela abertura de capital da seguradora, ele não esconde que, se pudesse, voltaria no tempo para desfazer o processo. "O banco ganhou dinheiro ao vender uma fatia da seguradora, mas a participação correspondente nos lucros faz falta", disse ele com exclusividade à DINHEIRO ao comentar os resultados do BB, em fevereiro deste ano. "Se o banco tiver dinheiro, pensamos até em recomprar essas ações." Procurados, os executivos do Bradesco e do BB não comentaram.

 

 

 

 

 

11/04/2018 - ISTO É DINHEIRO 
 

Déficit da Previ reflete momento da renda variável, diz Coelho
20/08/2018 - VALOR ECONÔMICO -SP
Banco do Brasil leiloa mais de 100 imóveis em São Paulo e no Rio de Janeiro
20/08/2018 - ESTADÃO - ON LINE - SP
Litel anuncia emissão de notas de R$ 2,5 bilhões
20/08/2018 - O ESTADO DE S. PAULO - SP
Petros e Previ rejeitam proposta do Mubadala para comprar Invepar
20/08/2018 - O ESTADO DE S. PAULO - SP
Os lucrativos bancos brasileiros
06/08/2018 - O ESTADO DE S. PAULO - SP
Os lucrativos bancos brasileiros
06/08/2018 - O ESTADO DE S. PAULO - SP
Empresas começam a pedir prêmios de seguros de volta - COLUNA BROADCAST
20/07/2018 - O ESTADO DE S. PAULO - SP
José Maurício Coelho é o novo presidente da Previ
16/07/2018 - PREVI
Manifestação pública da ANABB sobre a Cassi
09/07/2018 - ANABB
Lei Eleitoral restringe atos do poder público a partir de hoje
09/07/2018 - VALOR - ON LINE - SP
PL que concede isenção de IR aos idosos é aprovado em Comissão na Câmara
25/06/2018 - ANABB
Fusão entre BRF e Minerva volta a ser cogitada
07/06/2018 - VALOR ECONÔMICO -SP
BB prevê arrecadar R$ 27 bilhões em leilão de 26 imóveis em SP
05/06/2018 - VALOR - ON LINE - SP
Resgate de cotas do fundo é liberado para todas as idades
05/06/2018 - METRO - MG
Restrição aos fundos
21/05/2018 - CORREIO BRAZILIENSE - DF
Gustavo Franco defende privatizar bancos públicos em programa do Novo
17/05/2018 - VALOR ECONÔMICO -SP
Fundos de pensão avaliam ação contra a Bradespar
09/05/2018 - VALOR ECONÔMICO -SP
Gueitiro Genso permanece na Previ até 2022
03/05/2018 - VALOR ECONÔMICO -SP
Cielo tem lucro líquido de R$ 1,007 bilhão no 1º trimestre (Economia & Mercados)
03/05/2018 - AGÊNCIA ESTADO
Presidente da BRF renuncia após 4 meses
25/04/2018 - O ESTADO DE S. PAULO - SP
 
<<   <
>   >>    1618/1618 Registro