Quem Somos

Diretoria

Estatuto

Notícias

Dia a dia Afago

Seus Direitos

Cultura

Recordando o BB

Galeria de Fotos

Aniversariantes

Projetos

Associe-se

Convênios

Jornal da AFAGO

Fale Conosco

Página Principal

 
 
Nº de Visitas:
 

 
 
Um freio no rotativo do cartão de crédito 

 

Carlos Alberto Fonseca dos Santos levou um susto quando viu o tamanho da dívida do cartão de crédito. Os gastos que somavam R$ 900 haviam chegado a R$ 3 mil após 12 meses em razão da incidência de juros que no cartão de crédito podem chegar a 15% ao mês, uma das mais altas taxas do mundo.

 

Minha mulher ficou doente. Tive de gastar mais em remédio, e não sobrou dinheiro para o cartão. O problema é que a dívida dispara reconhece o motorista de ônibus de 53 anos, morador de Viamão.

 

Preocupado com a aceleração do débito, Santos foi negociar no banco, onde acertou quitação de metade à vista, metade parcelado, sem novos juros:

 

Agora fica melhor de pagar.

 

O efeito bola de neve do cartão de crédito, responsável por boa parte do endividamento dos brasileiros, terá um freio a partir de abril, quando passam a valer as mudanças para o crédito rotativo, ativado quando se paga o mínimo da fatura. Com as alterações, depois de um mês de cobrança do rotativo, o banco será obrigado a oferecer ao cliente outra modalidade de parcelamento, com juro e prazo definidos semelhante ao que Santos conseguiu com o banco.

 

É uma mudança boa para todos. O consumidor sai de uma dívida mais cara para outra mais barata, e o banco reduz o risco de inadimplência analisa Miguel Ribeiro de Oliveira, vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac).

 

Uma das principais críticas à atual forma de cobrança é que, com os juros altos, mesmo saldos pequenos podem crescer em tal velocidade que se tornem impagáveis. A operadora de telemarketing Letícia Abreu, 29 anos, deixou de pagar a fatura por três meses, e a dívida de R$ 400 fruto de compras no supermercado e em lojas de vestuário já ronda os R$ 600.

 

Quando a gente percebe, a conta já está lá em cima desabafa.

 

JUROS AINDA SUPERAM OS DO CRÉDITO CONSIGNADO

 

Os bancos informam que, com a mudança, os juros do parcelamento irão variar de 0,99% a 9,99% ao mês. Simulações feitas pela reportagem em ferramenta do Banco Central e revisadas pela Anefac mostram que, pelas regras atuais, uma dívida de R$ 2 mil paga em 18 meses no rotativo somará ao final R$ 5.874,48. Pela nova regra, em um juro de 8% ao mês, chegará a R$ 3.841,20 uma diferença de mais de R$ 2 mil (o valor inicial da dívida).

 

A nova sistemática vai possibilitar uma redução do custo de financiamento, em média, de 46%, ou seja, quase metade do juro atual diz Miguel.

 

Entretanto, a mudança de regras não sugere que parcelar a fatura mínima virou bom negócio. O juro do novo parcelamento ainda supera em muito os valores médios de empréstimo pessoal no Brasil, principalmente se comparados ao crédito consignado ou ao empréstimo sob garantia.

 

OS NOVOS PERCENTUAIS

 

Quais serão as taxas de juros mensais do parcelamento depois de 30 dias de uso do crédito rotativo

 

- Banrisul: não divulgado

 

- Caixa Federal: não respondeu

 

Banco do Brasil: de 1,91% a 9,38%

 

- Itaú: de 0,99% a 8,90%

 

- Bradesco: não divulgado

 

- Santander: de 2,99% a 9,99%

 

Diferença nas parcelas*

 

DÍVIDA DE R$ 800,

 

PAGA EM SEIS MESES

 

Pela taxa anterior

 

Parcela: R$ 211,39

 

Total pago: R$ 1.268,34

 

Pela nova regra

 

Parcela: R$ 173,05

 

Total pago: R$ 1.038,3

 

DÍVIDA DE R$ 1 MIL, PAGA EM 12 MESES

 

Pela taxa anterior

 

Parcela: R$ 184,48

 

Total pago: R$ 2.213,76

 

Pela nova regra

 

Parcela: R$ 132,69

 

Total pago: R$ 1.592,28

 

DÍVIDA DE R$ 2 MIL, PAGA EM 18 MESES

 

Pela taxa anterior

 

Parcela: R$ 326,36

 

Total pago: R$ 5.874,48

 

Pela nova regra

 

Parcela: R$ 213,40

 

Total pago: R$ 3.841,20

 

DÍVIDA DE R$ 5 MIL,

 

PAGA EM 24 MESES

 

Pela taxa anterior

 

Parcela: R$ 777,15

 

Total pago: R$ 18.651,60

 

Pela nova regra

 

Parcela: R$ 474,89

 

Total pago: R$ 11.397,36

 

* Considerando a taxa anterior do rotativo (15% ao mês) e a taxa conforme a nova regra (8% ao mês)

 

Fontes: Banco Central e Anefac


 

27/03/2017 - ZERO HORA - RS 
 

Restrição aos fundos
21/05/2018 - CORREIO BRAZILIENSE - DF
Gustavo Franco defende privatizar bancos públicos em programa do Novo
17/05/2018 - VALOR ECONÔMICO -SP
Fundos de pensão avaliam ação contra a Bradespar
09/05/2018 - VALOR ECONÔMICO -SP
Gueitiro Genso permanece na Previ até 2022
03/05/2018 - VALOR ECONÔMICO -SP
Cielo tem lucro líquido de R$ 1,007 bilhão no 1º trimestre (Economia & Mercados)
03/05/2018 - AGÊNCIA ESTADO
Presidente da BRF renuncia após 4 meses
25/04/2018 - O ESTADO DE S. PAULO - SP
Trapaças com aposentadorias
25/04/2018 - ANABB
UM NOVO IMPASSE NA BRF
18/04/2018 - ISTO É DINHEIRO
Quatro maiores bancos concentram 78,5% do crédito no país
18/04/2018 - JB - ON LINE - RJ
Fundos de pensão reduzem déficit em R$ 34,5 bi em 2017
18/04/2018 - VALOR ECONÔMICO -SP
Auditoria contra novas fraudes em fundos de pensão (Editorial)
11/04/2018 - O ESTADO DE S. PAULO - SP
O tesouro escondido dos bancos
11/04/2018 - ISTO É DINHEIRO
O alívio não chegou
04/04/2018 - VEJA
Justiça determina que Caixa e BB paguem abonos do PIS não sacados nos últimos 5 anos
04/04/2018 - INFO MONEY
ACORDO PREVI CESTA ALIMENTAÇÃO
22/03/2018 - ANABB
Solução a portas fechadas
13/03/2018 - ANABB
STJ adia julgamento da ação de correção do FGTS
12/03/2018 - ANABB
Banco do Brasil lança edital de concurso sem plano de saúde
12/03/2018 - ANABB
Clientes do Banco do Brasil poderão fazer transações pelo Facebook
23/02/2018 - ANABB
Lewandowski valida acordo sobre planos econômicos dos anos 80 e 90
16/02/2018 - ANABB
 
<<   <
>   >>    1604/1604 Registro